18 de set de 2011

HTPC- 19/09/2011- até as 24h00 -Bullying

BULLYINGBully: valentão, brigão
é uma situação que se caracteriza por agressões intencionais, verbais ou físicas, feitas de maneira repetitiva, por um ou mais alunos contra um ou mais colegas. Mesmo sem uma denominação em português, é entendido como ameaça, tirania, opressão, intimidação, humilhação e maltrato.
BULLYING = VIOLÊNCIA
Agressor:
Querer ser mais popular, sentir-se poderoso e obter uma boa imagem de si mesmo. Isso tudo leva o autor do bullying a atingir o colega com repetidas humilhações ou depreciações. É uma pessoa que não aprendeu a transformar sua raiva em diálogo e para quem o sofrimento do outro não é motivo para ele deixar de agir. Pelo contrário, sente-se satisfeito com a opressão do agredido, supondo ou antecipando quão dolorosa será aquela crueldade vivida pela vítima.
"A tendência é que ele seja assim por toda a vida, a menos que seja tratado“ - explica o médico pediatra Lauro Monteiro Filho

Vítimas:
O aluno que sofre bullying, principalmente quando não pede ajuda, enfrenta medo e vergonha de ir à escola. Pode querer abandonar os estudos, não se achar bom para integrar o grupo e apresentar baixo rendimento.
Uma pesquisa da Associação Brasileira Multiprofissional de Proteção à Infância e Adolescência (Abrapia) revela que 41,6% das vítimas nunca procuraram ajuda ou falaram sobre o problema, nem mesmo com os colegas.  As vítimas chegam a concordar com a agressão.
Aqueles que conseguem reagir podem alternar momentos de ansiedade e agressividade. Para mostrar que não são covardes ou quando percebem que seus agressores ficaram impunes, os alvos podem escolher outras pessoas mais indefesas e passam a provocá-las, tornando-se alvo e agressor ao mesmo tempo.
Tipos de Bullying
DIRETO:  agressão física, mais perceptível. Mais comum entre meninos.
INDIRETO: isolamento social, dificilmente percebido. Mais comum entre meninas e crianças menores.
VERBAL
FÍSICO E MATERIAL
PSICOLÓGICO
SEXUAL
VIRTUAL OU CYBERBULLYING
Para refletir:
“Nós vos pedimos com insistência
não digam nunca:
isso é natural!
diante dos acontecimentos de cada dia
numa época em que reina a confusão
em que corre o sangue
em que o arbítrio tem força de lei
em que a humanidade se desumaniza
não digam nunca:
isso é natural!
para que nada possa ser imutável!”
                                                                Bertold Brecht
1- Para você, o que signica "ser natural e ser imutável"?
2- Você concorda com a afirmação que: O bullying está se tornando banal!
3- Cite alguns casos de banalidades em relação a prática do bullying na sala de aula ou no ambiente escolar.
Relate  um caso de bullying que você tenha presenciado.
Boa Reflexão!
PC Mara

7 comentários:

  1. O bullyng não é um fenômeno exclusivo das escolas, ele está em toda a sociedade. Acredito que por perdas de valores em nossa sociedade ele esteja sim, aumentando.
    Gostaria de deixar algumas observações que, ao meu ver, podem ser muito úteis para todos os profissionais envolvidos no bullyng escolar:
    - Nunca julgue as situações ou as pessoas pelas aparências.
    - Muitos professores são humilhados, ameaçados, perseguidos e até ridicularizados por seus alunos e vice versa.(Colegas, saibam que todos nós temos um ou mais apelidos pejorativos dados pelos nossos alunos)
    - O fenomêno bullyng estimula a delinquência e induz a outras formas explicitas de violência. (exemplo: os assassinatos na escola no Rio de Janeiro e muitos outros)
    Concluindo: Nossa luta diária contra o bullyng escolar deve ser rigorosa e constante, pois estão em jogo os bens mais preciosos da humanidade: a solidariedade, o respeito às diferenças, a tolerância, a cooperação , a justiça, a dignidade, a honestidade, a amizade e o amor ao próximo.

    ResponderExcluir
  2. Mauricio, seja bem vindo ao nossso HTPC on line, concordo com tudo o que você disse. O bullying não está sendo praticado só com os alunos, mas conosco também.

    ResponderExcluir
  3. Temos que ter em mente que em vários casos , a vítima de Bullying quase sempre são excluidas de participar de uma vida social.
    No filme Bullying Ameaças Pemanaetes , que conta a história de Jade que sofre todos os tipos crueldades.
    Nós educadores que de alguma forma sofremos também com esse tipo de agressão não podemos permitir que nossos jovem pensem que tudo é natural mas sim que tudo é imutável.

    ResponderExcluir
  4. O bullying não é natural, pois no momento que uma pessoa “agride” verbalmente a outra , não tem respeito nem a si mesma.

    Nossa sociedade vem perdendo o discernimento do que é correto ou errado , a postura vem sendo cada vez mais “banal”

    A influencia dos “barracos” das novelas é algo natural para muitos. Lendo o bullying a se tornar banal .

    O bullying deve ser repudiado em todos os ambientes , não só nas escolas . É um ato horrível .

    Para finalizar, precisamos ser fortes para manter nosso espírito e sabedoria , para combater o bullying e tantos outros atos que estamos constantemente sujeitos a ocorrer conosco.

    Acredito que só através da nossa perseverança , vamos conseguir vencer essa luta .

    ResponderExcluir
  5. Luiza disse:
    -Realidade imutável,inata,independente da vontade e da ação humana,mas essa realidade pode ser transformada,quantas coisas aprendemos desde nosso nascimento?quantas experiências passamos que nos levaram a rever pontos de vistas antes defendidos.Acredito que ser humano possa amadurecer e aceitar as diferenças.
    -Concordo,esse tipo de agressão esta em todas as partes e não está estrito somente ao ambiente escolar.
    -São tantos casos que presencio que fica
    até difícil de descrever.Sei que nem sempre concordamos,ou gostamos,com o modo como as coisas acontecem ou são conduzidas a nossa volta,temos este direito.Temos o direito de escolher nossos gostos e opiniões, como todas as pessoas teem,mas temos obrigação de respeitar quem é,sente e pensa diferente de nós outros e vice-versa,possa estar aberto as transfomações, a inovações, a adaptações, amadurecendo e aceitando as diferenças.
    19/09/11 15:13

    ResponderExcluir
  6. Colegas, este tema realmente envolve a todos da escola. Quando eu disse banalização do bullying, me referi a coisas corriqueiras,as rotinas na sala de aula,devemos ter o cuidado com palavras, gestos e com a nossa conduta, pois o aluno além do ECA ao seu favor ainda tem a banalização do bullying.Na sala de aula diariamente há alunos que reclamam de coisas tão fáceis de ser resolvido na sala de aula.Sabemos que o professor é o gestor da sala de aula.Quando surge um conflito entre alunos, paro o conteúdo e chamo a atenção dos mesmos para os valores esquecidos como: repeito a diversidade, tolerância, pois não temos desiguais apenas que um é diferente do outro em muitas coisas, por esse motivo temos que respeitar estas diferenças.
    Acho ser uma boa estratégia para a não banalização do bullying.

    ResponderExcluir
  7. Luciene Lavezzo24/10/2011 23:21

    Dois estudantes encontraram, numa estrada, um azeiteiro com um burro carregado de bilhas de azeite. Os estudantes estavam sem dinheiro; por isso, decidiram roubar o animal. Enquanto o pobre homem seguia o seu caminho, um deles tirou a *cabeçada do burro e colocou-a no pescoço. O outro estudante fugiu com o animal e a carga. De repente, o azeiteiro olhou para trás e viu um rapaz em vez do burro.
    Nesse momento, o estudante exclamou: «Ah! senhor, quanto lhe agradeço ter-me dado uma pancada na cabeça! *Quebrou-me o encanto que durante tantos anos me fez ser burro!...» O azeiteiro tirou o chapéu e disse-lhe: «Afinal, o meu burro estava enfeitiçado! Perdi o meu *ganha-pão! Peço-lhe muitos perdões por tê-lo maltratado tanta vez - mas que quer? - o senhor era muito teimoso!»
    - Está perdoado, bom homem! - disse o estudante. O que lhe peço é que me deixe em paz.
    O pobre azeiteiro lamentou-se porque já não podia vender o azeite. Então, foi pedir dinheiro a um compadre para ir à feira comprar outro burro. Quando lá chegou, viu um estudante a vender o seu burro. O azeiteiro pensou que o rapaz se tinha transformado, outra vez, num animal! Aproximou-se do burro e gritou com toda a força: «Olhe, senhor burro, quem o não conhecer que o compre».

    ResponderExcluir

Após a leitura dos textos ou assistirem ao vídeo deixe a sua reflexão: