23 de set de 2012

ATPC 24/09/2012


NATIVOS DIGITAIS
http://www.youtube.com/watch?v=jvxcBeLvpGw

Este vídeo explica um pouco das nossas angústias  na sala de aula.

Após assisti-lo deixe sua contribuição:

Aguardo
PC Mara 

21 comentários:

  1. Vivemos a era da informação; e não tenho dúvida disso, porém como se "alfabetizar" para orientar os alunos a fazer uso dos recursos tecnológicos? Fazer cursos de informática é o primeiro passo, mas fica restrito ao meu conhecimento. Na verdade eu me sinto como eles. Boa parte do que sei tive que aprender na prática, mas tenho a possibilidade de ensinar o que aprendi e procuro fazer a diferença. Entretanto, preciso de ajuda e de salas de aula informatizadas para que as dicas e conhecimento saiam do papel e passem para a telinha do computador.

    ResponderExcluir
  2. As gerações passadas, há quatro, cinco, décadas, tinham uma capacidade, muitíssimo melhor que essas atuais. Os alunos daquelas gerações, tinham muito mais interesse e determinação no campo "pesquisa",onde, verdadeiramente buscavam conhecimentos variados, informações relevantes à sua formação básica, fundamental, que hoje chamam de "formação cidadã". Não existiam computadores, internet (nem pensar), i-pod, "i-não pode", celulares, e toda essa parafernália eletrônica existente.Houve, notadamente, uma inversão de polaridade, independentemente de ter ou não os acessórios eletrônicos. Os alunos àquela época, entre tantos outros atributos, buscavam conhecimento e preparo. Dedicavam-se aos estudos; aos mestres, o respeito integral e incondicional, pois eram o "norte" deles. Os de hoje, não buscam conhecimento e muito menos preparo (com raríssimas exceções), pensam que "dominar" alguma tecnologia digital, por exemplo, fazer o famoso troca-troca (via bluetooth) de músicas em celulares, baixar joguinhos, tirar fotos, entre tantas outras baboseiras, está lhes "garantindo" algo no futuro, que pensam "dominar". Os estudos, a formação fundamental, ficaram para o 2º, 3º planos. É preciso ter o domínio de si mesmo, de seus intrínsecos valores morais, éticos, uma formação adequada e balizada para o enfrentamento de desafios futuros, como o vestibular, o concurso público e a própria formação profissional.É preciso a total inversão do quadro atual, uma remodelação de valores e conceitos, uma urgente reestruturação do sistema educacional, míster também, uma educação, no sentido estrito, com sólidas bases familiares. São vetores importantíssimos na verdadeira formação do ser humano. O resto, é resto, pois esses são os princípios fundamentais na vida. Os bons exemplos, sempre foquei dentro de casa, onde tive como "espelho" meu pai,que estudou em colégio militar interno e entrou direto no ITA, sem precisar de cursinho.Pax. Dici

    ResponderExcluir
  3. As tecnologias já fazem parte da vida do educando no seu cotidiano, o professor devido a falta de conhecimento em sua maioria não é adpto ao uso das novas tecnologias.
    O professor deve não temer ao uso das tecnologias, e junto com seus alunos debater e refletir de que forma isso agregara em novos conhecimentos para melhorar a motivação e melhoria das aulas.

    ResponderExcluir
  4. Os recursos tecnológicos estão em nossa vida, no dia a dia, mas...
    Temos muita dificuldade para manusear, falta de tempo para dedicar, falta de capacitação dos professores, falta de embasamento teórico, visão instrucionista da aprendizagem, em alguns casos resistência ao uso da informática para lidar com situações que desafiam a prática cotidiana, a forma de organização do espaço escolar, pequena quantidade de máquina e grande número de alunos. Todos esses itens formam barreiras imensas e levam o professor ao desânimo.
    Isso porque moramos em São Paulo, um dos estados mais desenvolvidos, pois vemos crianças de muitas regiões do Brasil que freqüentam escolas públicas e não possuem condições mínimas favoráveis ao desenvolvimento da aprendizagem.
    Na minha opinião, faz-se necessário na educação, construir novas concepções pedagógicas elaboradas sob a influência do uso dos novos recursos tecnológicos que resultem em práticas que promovam o currículo nos seus diversos campos do sistema educacional, possibilitando aos docentes se apropriarem criticamente destas tecnologias e práticas educacionais contribuindo para a inclusão digital e dar ênfase significativa a prática pedagógica, numa visão nacional.

    ResponderExcluir
  5. Diante da realidade em que vivemos,
    onde a tecnologia digital faz parte da vida das
    pessoas, principalmente dos jovens estudantes,
    cabe ao professor adaptar suas formas de ensinar, conforme as características deste público
    chamado de “nativos digitais”. Desta forma,
    torna-se de suma importância garantir a formação continuada dos professores, para que
    melhorem sua fluência digital e possam integrar as tecnologias digitais no processo de ensino aprendizagem.O mundo de hoje requer do jovem (e de todos
    nós) a capacidade de se comunicar com um número cada vez maior de pessoas, de processar dados e informações em maior quantidade e com mais velocidade.(Salto ao futuro)

    ResponderExcluir
  6. Marisa Nóbrega24/09/2012 16:46

    Existe uma ilusão de que os sistemas digitais possam preencher o enorme vazio que existe na educação atualmente. O sistemas digitais vieram para facilitar a comunicação e desenvolver meios mais velozes e mais conectados uns aos outros, mas isto por si só, não é o suficiente para realizar o trabalho da educação. Neste vídeo, os alunos pedem para ensinar a pensar, para ensinarem a contar histórias, usar blogs e outros recursos, e isto tudo, nos Estados Unidos, onde todos possuem meios tecnológicos, em todas as escolas e todos os lugares.Pelo jeito, não tem funcionado...
    Existe na verdade, um descompasso entre a velocidade da informação transmitida e a dificuldade em processar criticamente estas informações. A maior parte das pessoas utilizam-se dos meios digitais mas não se apropriaram do pensamento ou do raciocínio ou da crítica aquilo que estão operando. Um exemplo claro, são os protestos dos países árabes frente ao filme "Inocência dos mulçumanos". Eles estão acessando o filme via Youtube e realizando barbaridades. Para nós, brasileiros, a verdadeira ponte está em alfabetizar digitalmente todos ( o que ainda é um obstáculo) e ensinar a maioria a utilizar estas ferramentas de modo consciente, crítico e criativo.

    ResponderExcluir
  7. Temos certeza de que vivemos na era da tecnologia, mas infelizmente não são todos os professores que estão preparados para trabalhar dessa forma.Poderia haver mais capacitações para que os professores pudessem se especializar, assim melhorando e inovando suas aulas.
    Temos muitos exemplos claros também de pessoas(alunos) que dominam todas as novas tecnologias, mas não querem usá-las para estudo, para uma forma de aprendizagem.
    Precisamos conscientizar os nossos alunos da importância do uso correto das novas tecnologias, pois eles acabam perdendo o foco dessa riquíssima ferramenta.

    ResponderExcluir
  8. Eu fui um aprendiz do século XX. Quando fiz faculdade,entregava os trabalhos feitos na máquina de escrever, realizava pesquisas em livros e tinha a certeza da segurança da fonte.
    Entrei no século XXI e estas novas tecnologias nos ajudam, mas também nos amedrontam, pois não dominamos-as integralmente e, ás vezes, temos dificuldade em acompanhar a evolução das mesmas.
    Em reportagem publicada na Revista Exame em 24/08/2011,uma pesquisa realizada entre as gerações X (32 a 51 anos), Y (32 a 51 anos) e Z (12 a 19 anos), revelou que, praticamente 100% dos jovens da geração Z particapam de alguma rede social, 75% usam celulares (com internet), entretanto, lêem menos (14%). E a geração X continua como assíduos leitores (55%).
    Segundo, ainda, Luís César Périsse, coordenador da pesquisa "Esta controversa geração é consumidora voraz das novidades que o mundo tecnológico tem a oferecer, mudando de atitude tão rápido quanto uma mensagem no Twitter" referindo-se à geração Z.
    Após ver o vídeo e ler esta reportagem, precisamos repensar várias práticas: a integração das novas tecnologias na sala de aula aliada aos estímulos de hábitos leitores e formadores de opinião.
    Há de se ressaltar a importãncia destas redes na divulgação de fatos ( Ex: Torres Gêmeas, 11 de setembro), mas há também a necessidade de discernimento quanto à opinião emitida nestes e estas são formadas na escola, no estudo.

    ResponderExcluir
  9. Acredito que a nova era, qual seja ,digital e tecnológica obriga o cidadão a vivencia-la.Crianças, jovens, adultos e até mesmo os idosos querem mergulhar nesse mundo de chips, smart phone, notebook......

    Temos que nos adequar aos usos e costumes, a exclusão digital é tão grave quanto ao analfabetismo, desemprego ou até mesmo a fome. Kátia.
    Para que possamos pleitear o sucesso profissional, teremos com responsabilidade e tranquilidade nos adaptar a essa nova era.

    ResponderExcluir
  10. LUÍZA,

    -NÃO DOMINO ESSAS NOVAS TECNOLOGIAS, TENTO APRENDER O BÁSICO PARA O MEU DIA A DIA, MAS PRETENDO ME APERFEIÇOAR. QUANTO A GERAÇÃO DIGITAL ACHO INTERESSANTE, MARAVILHOSA E POSITVA EM ALGUNS ASPÉCTOS, POR OUTRO LADO TAMBÉM TEM O SEU LADO NEGATIVO SE NÃO TIVER COMPREENSÃO DOS ACONTECIMENTOS NA SUA HISTORICIDADE. A COMPREENSÃO DA HISTORICIDADE DOS ACONTECIMENTOS TEM SIDO DIFICULTADA NÃO SÓ PELA SUA QUANTIDADE E VARIEDADE, MAS TAMBÉM PELA VELOCIDADE COM QUE SE PROPAGAM POR MEIO DAS TECNOLOGIAS DA INFOMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO. O ACÚMULO E A VELOCIDADE DOS ACONTECIMENTOS AFETAM NÃO SÓ OS REFERENTES TEMPORAIS E IDENTITÁRIOS, OS VALORES, OS PADRÕES DE COMPORTAMENTOS, CONSTRUINDO NOVAS SUBJETIVIDADES, COMO TAMBÉM INDUZEM OS JOVENS A VIVEREM, COMO DIZ HOBSBAWN (1995), ''NUMA ESPÉCIE DE PRESENTE, CONTÍNUO'' E, PORTANTO, COM FRACOS VÍNCULOS ENTRE A EXPERIÊNCIA PESSOAL E A DAS GERAÇÕES PASSADAS. PORTANTO SEJA QUAL FOR O PROCEDIMENTO PARA O CONHECIMENTO DO ALUNO, OS RESULTADOS DEPENDERÃO, SEMPRE DA PRÁTICA CONSTANTE DA LEITURA E REFLEXÃO.

    ResponderExcluir
  11. Acredito que o grande desafiao hoje dos educadores é saber trabalhar com a questão das habilidades e competências necessárias para o século XXI. Como preparar as nossas escolas para o uso das novas tecnologias em seu favor e em prol dos alunos . Vivemos praticamente na era digital , nossos alunos já são conhecidos como a geração dos nativos digitais , mas infelismente as nossas escolas não estão preparadas para essa realidade.
    Precisamos utilizar um pouco mais as suas linguagens e fazer uma ponte entre a tecnologia e o mundo deles com os conteúdos e tecnologias motivadoras para chegarmos ao ponto de equilibrio entre a educação e a realidade de nossos alunos

    ResponderExcluir
  12. Tema complexo... Realmente concordo com o ponto de vista de vários colegas principalmente algumas pontuações de Carlos, Renata e Marisa. Eu me considero um fruto dessa "INFUSÃO" tecnológica porém acredito que a tecnologia trouxe muitas modificações na nossa estrutura social provavelmente de forma irreversível, algumas benéficas e outras extremamente maléficas. Hoje algumas pessoas tiram uma foto de uma paisagem linda para admira-la como papel de parede em seus equipamentos eletrônicos mas muitas dessas pessoas são incapazes de admirar essa mesma paisagem "ao vivo" parece que não é tão legal... Hoje muita mais muita informação e "arremessada" de qualquer jeito em cima de alunos, professores, trabalhadores em fim da nossa sociedade em geral. Chegamos ao cumulo de uma mãe por um envio de mensagem instantânea pedir para o filho descer para pegar seu almoço na cozinha... detalhe o mesmo retorna para seu quarto para o PC, Computador, TV ou outro ele não pode perder tempo... Refeições em família...Hoje nosso tempo é cada vez mais curto pois as tecnologias tem uma grande capacidade de "absorver" nosso tempo.

    Resumindo eu mesmo sendo "fanático" por apetrechos tecnológicos, interpreto que excluindo-se a medicina, a ciência e a comunicação(com reservas) a tecnologia destrói o convívio social e a necessidade desse convívio...Pois praticamente tudo que é extremado alto ou baixo é ruim

    ResponderExcluir
  13. O conceito “nativo digital” foi criado pelo americano Marc Prensky, especialista em tecnologia e educação, e designa todo aquele que nasceu na década de 1990, depois da existência da web. São os jovens que aproveitam todos os aparatos tecnológicos disponíveis no cotidiano para facilitar a vida. Segundo Prensky, esses jovens desafiam os professores a criarem novas pedagogias. Os nativos digitais são frutos de uma geração que já nasceu na era digital, acostumados a viver em mundo de tecnologia crescente e que evolui a cada instante. São jovens que já esperam pelo lançamento de novos produtos. Ao contrário da maioria da população que teve que se adaptar aos novos hábitos estes usuários da tecnologia estão acostumados a enviar e-mails ao invés de cartas, a visualizar programas via sites da Internet e não apenas na televisão, e inclusive se comunicar com pessoas em todo o mundo através de programas com o MSN ou skype e ainda a aprender a utilizar a nova tecnologia em nuvem. Essa geração é imediatista pede para criar, analisar, aplicar, avaliar, como diz o vídeo eles querem que lhes ensinem a pensar e envolverem nas atividades. Acredito que diante a esta realidade em primeiro lugar devemos compreender essa nova geração, em seguida nos atualizarmos sempre que possível e por fim aplicar o que aprendemos em nossas vivencias de sala de aula. Concluindo, ou nos adaptamos e aprendemos a utilizar essas novas tecnologias ou estaremos ficando cada vez mais para trás.

    ResponderExcluir
  14. A tecnologia influencia o nosso cotidiano. É, mais uma mostra que as escolas devem acompanhar e inserir as novas tecnologias dentro do seu programa educacional. O professor, agora assume a postura de facilitador e orientador, com recursos modernos. Cabendo também a nós a função de interpretador do comportamento do educando, visto que ele poderá encontrar alunos que já sabem mais manusear o computador do que ele, mas que não têm nenhum direcionamento de como este instrumento pode auxiliá-lo no processo educativo. O professor precisa de formação em novas tecnologias, para auxiliar o aluno de forma adequada neste processo educativo.

    ResponderExcluir
  15. Sem dúvida não podemos fechar os olhos para essa revolução tecnológica presente no cotidiano de muitos alunos do mundo inteiro.Mas fazer um bom uso e correto desses instrumentos na educação,passa pelo professor que precisa e sente falta de formação em novas tecnologias.Confesso que muitas delas não conheço e sinto me analfabeto digital para acompanhar tantos avanços.Acredito que poderemos fazer diferença se tb tivermos preparados para essa evolução.Silvia

    ResponderExcluir
  16. A tecnologia está em nossa volta. Nós necessitamos fazer reflexoes mais profundas sobre as práticas docentes. Apesar de ter feito um curso básico de computaçao de estar sempre na internet, estou muito aquem do que gostaria.
    Concordo com a Elizabeth, quando ela diz que é de suma importância a formaçao contínua dos professores.
    Profª Adriana Férrer

    ResponderExcluir
  17. Professor Adriano - Hora da Leitura

    O vídeo mostrou uma realidade que não pode ser ignorada pelo educadores.
    Como querer dar uma aula que tivemos há 10 anos? Estamos fora da realidade?
    Não há dúvida que os interesses podem ser outros, mas que o papel do professor não poderá acabar, é preciso envolver os alunos. Envolvê-los de forma humana e digital. O professor vai ter de aprender!! O caminho é árido, mas com certeza dará muitos bons frutos...

    ResponderExcluir
  18. Elisângela

    Com o avanço das tecnologias e comunicação vem se criando novas formas de convivências, novos textos, novas leituras,novas escritas,sobretudo novas maneiras de interagir.
    Nos dias de hoje é imprescindível o uso das tecnologias, o professor deve sempre buscar compreender como utiliza-las.
    O educador não precisa necessariamente ser especialista em informática, ele deve apenas ser um usuário crítico, seletivo, reflexivo,e atuante nesse contexto globalizado.

    ResponderExcluir
  19. Profª Maria Aparecida

    A questão sobre o uso de novas tecnologias em sala de aula vem sendo discutido em todos os setores da educação .

    Nós educadores mostramos preocupados em compreender e valorizar esse novo mundo da área tecnológica que passou a fazer parte do cotidiano de nossos alunos.E perguntamos como fazer uso e torná - la uma nova ferramenta pedagógica no espaço escolar? Sabemos que estamos muito defasados em relação ao uso dos recursos disponíveis na internet, para poder fazer com que nossos alunos aprendam português , matemática e as demais disciplinas a partir do uso do computador.

    Eu confesso que gostaria muito de ter conhecimento para poder trabalhar com essa nova ferramenta no meu dia a dia , porque acredito que enriquece e torna a aula mais interessante .Sendo assim, faz se necessária a renovação cultural frente às novas exigências de uma sociedade que se torna cada vez mais tecnol

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O vídeo me faz pensar muito, no quanto nossos jovens estão a frente de nós no conhecimento e uso das tecnologias e quais são seus interesses e atenções.Tudo tem evoluido de maneiraa muito rápida, e muitas vezes me sinto parada no tempo.Acredito que precisamos acompanhar e se envolver nessa nova forma de aprender se quisermos alcançar nossos jovens, mas para isso temos que estar preparados.Vera

      Excluir
  20. Agradeço as contribuições de todos.
    Concordo com a maioria, quando dizem da falta de capacitações tecnológicas para ajudar o professor na mediação do processo de ensino Aprendizagem.
    Mas sabemos que estamos na era digital e não podemos cruzar os braços, devemos correr atras,para nos atualizarmos, já que somos educadores.
    Somos migrantes digitais e o nosso aluno é nativo digital, portanto cabe a nós caminhar na busca de alternativas digitais para aprendermos a lidar com a problemática mostrada no vídeo.A geração digital exige aulas dinâmicas e embasadas de acordo com as novas tendências pedagógicas.
    Abraços e até o próximo.

    ResponderExcluir

Após a leitura dos textos ou assistirem ao vídeo deixe a sua reflexão: